terça-feira, 19 de junho de 2012

Helloween não é brincadeira




            A festa de halloween, que passou inicialmente das ilhas britânicas para os Estados Unidos, atualmente já é popular em muitos países do mundo. Mas, o que está por detrás dessa comemoração, dos fantasmas, das bruxas, dos esqueletos e das lanternas de abóboras?

            A festa de halloween começou com os celtas, que habitavam o Norte da França e as ilhas britânicas. Seus sacerdotes eram os druidas. Eles praticavam a feitiçaria e adoravam a natureza, atribuindo-lhe forças sobrenaturais. Certas árvores ou plantas, como o carvalho ou o visco, tinham significado religioso. Eles veneravam mais de 400 diferentes deuses. O “Deus da Morte” ou “Deus dos Mortos” (Samhain) era homenageado dia 31 de Outubro. Esse era o último dia do ano, pois o ano novo e o inverno celtas começavam em 1º de Novembro. Samhain era o principal deus dos druidas, e no dia 31 de Outubro eram realizados até sacrifícios humanos.

             Acreditava-se que depois da morte a alma dos falecidos ficava inicialmente em uma zona intermediária desconfortável; conforme a permissão do “deus da Morte”, nessa noite eles podiam voltar às suas moradas terrenas. Ali se transformavam em animais ou em outras pessoas. Segundo a concepção celta, o tempo de permanência de uma alma no estágio intermediário podia ser reduzido de duas maneiras: (1) a alma procurava por um novo corpo possuindo um ser vivo, ou (2) chegava ao céu um pouco antes através da intercessão de uma pessoa viva.

Por isso, no feriado da passagem do outono para o inverno, algumas pessoas iam de casa em casa e, mediante pagamento, prometiam rezar pelos mortos. Quem os presenteasse com abundância de mantimentos podia ter a esperança de que seus parentes já falecidos iriam para o céu um pouco mais cedo, graças às rezas. O medo de ser possuído por uma alma errante era combatido com feitiços de defesa. Havia, por exemplo, o costume de usar fantasias para tornarem-se menos atraentes às almas dos mortos. Tochas em formato de carranca eram entalhadas em nabos para afastar o perigo e dançava-se ao redor de grandes fogueiras para afugentar os maus espíritos. Almas de pessoas mortas “boas”, liberadas pelo “Senhor dos mortos”, recebiam as boas vindas com oferendas de comida.

            A festa de halloween celebrada nos dias de hoje baseia-se em grande parte nos usos e costumes dos druidas em sua festa de 31 de Outubro, considerada a data máxima por todos os feiticeiros. Halloween tornou-se popular nos Estados Unidos por volta de 1840, introduzida por imigrantes irlandeses. No lugar de nabos, eles começaram a usar as enormes abóboras do Novo Mundo para entalhar horrendas carrancas e confeccionar suas lanternas. Uma vela acesa em seu interior tornava-as ainda mais arrepiantes.

            Usar fantasias também faz parte de halloween. Figuras clássicas são os fantasmas e, principalmente, as bruxas voando pelos ares em suas vassouras, acompanhada de seus gatos pretos. Em termos comerciais, halloween é uma oportunidade de excelentes vendas nos Estados Unidos. Depois do Natal, essa festa é o evento mais lucrativo do ano, movimentando em torno de 2,4 bilhões de dólares. Nessa ocasião, cinqüenta por cento dos americanos decoram suas casas e pelo menos um terço da população compra uma fantasia. Esses costumes já estão se espalhando por todos os continentes.

Não devemos deixar de considerar os seguintes fatos sobre halloween:

  1. Halloween transformou-se na mais importante celebração à bruxaria e outras formas de ocultismo.
  2. Esse dia é considerado o único do ano em que é possível pedir ajuda ao diabo, para muitos o “Senhor da morte”. Por isso, esse dia tem um significado todo especial para os satanistas.
  3. Nesse dia foram e continuam sendo realizados sacrifícios humanos pelos satanistas.
  4. Participar das festas de halloween pode levar a um envolvimento com o ocultismo ou induzir à abertura para coisas ocultas.
  5. Na história, esse dia sempre foi considerado propício para todas as formas de adivinhação e invocação dos mortos.
  6. Celebrar halloween significa apoiar práticas pagãs e filosofias como a reencarnação, o animismo, o xamanismo e as doutrinas dos druidas.
  7. Ocultistas usam esse dia para arrebanhar adeptos.
  8. Todos os usos e costumes relacionados com halloween têm suas raízes no paganismo e no ocultismo.
  9.  É estranho que essa data, que antecede os feriados católicos de “Todos os santos” e “Finados”, lembra a doutrina antibíblica da permanência dos mortos no purgatório (Hebreus 9: 27 e Jó 7: 9-11)e as missas pelos mortos. Assim, vemos como é tênue a linha que separa práticas puramente pagãs de muitos usos de igrejas que se dizem cristãs.

A Bíblia prediz com clareza que práticas desse tipo iriam aumentar e se expandir mundialmente nos tempos finais: “ora, o espírito afirma expressamente que, nos últimos dias, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios” (1 Timóteo 4:1). “... nem ainda se arrependeram dos seus assassínios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos” (Apocalipse 9: 21).

A festa de halloween parece inocente, mas a realidade por trás dela é muito séria! Com brincadeiras, a humanidade é seduzida tornando-se receptiva a ensinos de demônios e sendo levados a endurecer seu coração diante de deus. Na Bíblia somos exortados claramente a não permitir nenhuma mistura com práticas pagãs e a não nos envolver com o ocultismo: “Quando entrares na terra que o Senhor, teu Deus te der, não aprenderás a fazer conforme abominações daqueles povos” (Deuteronômio 18: 9). “Abstende-vos de toda forma de mal” (1 Tessalonicenses 5: 22). O apóstolo Paulo elogia os tessalonicenses por terem se afastado radicalmente de toda forma de idolatria quando se converteram: “Pois eles mesmos, no tocante a nós, proclamam que a repercussão teve o nosso ingresso no vosso meio, e como, deixando os ídolos vos convertestes a Deus para servirdes o deus vivo e verdadeiro e para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, Jesus, que nos livra da ira vindoura” (1 Tessalonicenses 1: 9-10).

     
            Os efésios que se converteram a Jesus destruíram todos os seus livros de feitiçaria: “Muitos dos que creram vieram confessando e denunciando publicamente as suas próprias obras. Também muitos dos que haviam praticado artes mágicas, reunindo os seus livros, os queimaram diante de todos . Calculados os seus preços, achou-se que montavam a cinqüenta mil denários” (Atos 19: 18-20). É essa a atitude correta – jogar fora tudo o que tem qualquer relação com práticas ocultistas.

            Jesus realizou uma salvação completa. Ele perdoa todos os pecados e liberta de todas as amarras malignas, pois tomou o poder daquele “que tem o poder da morte... o diabo”  (Hebreus 2: 14). Jesus promete a vida eterna a todos aqueles que crêem nEle. Quem ousa dar o primeiro passo em direção a Ele será tomado pela mão e conduzido pelo Senhor. Quem se achega a Jesus não precisa mais procurar ajuda no ocultismo, na adivinhação ou nos astros. Em Jesus encontramos a própria vida. Em sua palavra achamos orientação. Venha a Ele agora mesmo.

Norbert Lieth


1 Hebreus 9: 27 “E, como homens está ordenado morrerem uma vez, para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que esperam a salvação.” E, Jó 7:9-11 “ Tal como nuvem se desfaz  e passa, aquele que desce a sepultura nunca tornará a subir. Nunca mais tornará à sua casa, nem o seu lugar jamais o conhecerá. Por isso, não reprimirei a minha boca; falarei na angústia do meu espírito; queixar-me-ei na amargura da minha alma.