quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Sementes de bençãos ou maldição?‏

A morte e a vida estão no poder da língua; aquele que a ama comerá do Seu fruto.” Provérbios 18.21
 
            Uma das primeiras e mais importantes coisas que a pessoa deve atentar ao aceitar a Jesus como Senhor e Salvador é o poder de suas palavras. Conforme frisado no texto, a sua palavra pode causar vida ou morte; pode trazer bênção ou maldição. Infelizmente essa importante arma de batalha no mundo espiritual é muito negligenciada pelo povo de Deus. Essa arma é a palavra! Afinal é com as palavras que profetizamos, abençoamos, oramos, expulsamos demônios. De maneira análoga, palavras podem trazer maldição, dor morte e outras tentações mais. A coisa é tão séria que a bíblia diz que a murmuração atrai a presença do destruidor. Então a sua palavra tem o poder de criar e alterar realidades. Essa é uma das verdades mais conhecidas e faladas no meio de nosso povo, porém é das menos praticadas.

Assim, devemos ter consciência de que tudo o que tudo aquilo que falamos no plano material, repercute no mundo espiritual. Quantos, em suas batalhas cotidianas não abrem a boca para proferir palavras malditas, de fatalismo, de desânimo, ou mesmo palavras que vão de encontro a tudo aquilo que o Senhor nos ensinou? Será que o que essas pessoas estão recebendo em sua vida é resultado do que tem falado? Cada um colhe aquilo que planta...

            Muitos podem dizer que são as pressões e os problemas do cotidiano que os obrigam a dizer tais palavras. Chegam até a usar a Palavra do Senhor fora do contexto dizendo: “Deus sabe que sou pó, etc...”, mas infelizmente, o que se esquecem, é que naquilo que podemos e devemos fazer, o Senhor não moverá uma palha. Ou seja, guardar a nossa língua de falar vaidade é responsabilidade nossa. Se estivermos em dificuldades quanto a isso, devemos pedir ajuda ao Espírito Santo, mas a responsabilidade pelas nossas palavras é toda nossa.

            É de fundamental importância sabermos que as palavras são sementes, que irão germinar de acordo com a sua espécie; daí, seus efeitos maléficos ou benéficos. É lei da natureza: cada colheita de acordo com a semente plantada.
 O Senhor em diversas passagens nos alerta que essas sementes têm que ser plantadas com cuidado, zelo e carinho. Sim, cuidado para que as sementes sejam boas. Zelo, para que cuidemos dessas sementes enquanto a bênção não se materializa, porque elas já estão prontas no mundo espiritual, já saíram da boca de Deus; e Ele nos promete que a sua palavra não voltará vazia. E, carinho, para que cuidemos muito bem da bênção quando ela chegar, pois se há uma coisa que Deus abomina é o desperdício.

            A bênção na vida de um cristão é como a concepção de um bebê; ele passa a existir no momento da concepção, no momento em que o Senhor a planta em nossos corações, não apenas quando nasce a criança, quando recebemos a bênção. Nesse meio tempo temos que dar carinho, vislumbrar o seu nascimento e lançar muito amor sobre esta criança, para que nos habituemos, sonhemos com a criança/bênção.  A chegada da bênção é um parto. Por isso, que quanto mais perto do recebimento da bênção, maior é a dor e a tentação. Por isso, o Senhor Jesus usou esta analogia nas últimas instruções aos discípulos, em João 16.21: “A mulher, quando está para dar a luz, sente tristeza, porque é chegada a sua hora; mas depois, de ter dado à luz acriança , já se não lembra da aflição, pelo prazer de haver nascido um homem no mundo.”
 Jesus estava falando da aflição que sofremos ao estarmos prestes a receber uma bênção. Estava falando da tristeza que se converte em alegria, quando recebemos uma bênção que foi bem concebida (plantada), cuidada e recebida

            Em certa passagem, Paulo, cheio do Espírito Santo, nos diz: “Não erreis meus amados irmãos; Aquilo que o homem plantar, isso também colherá.” (Gálatas 6.7). Não foi por acaso que o Espírito Santo colocou essa passagem aí. Sim, porque quando abrimos a boca para falar o que quer que seja dois mundos espirituais se preparam para trabalhar: o das trevas e o da luz. Então dependendo do que dissermos atrairemos a atenção e a ação de um dos dois. Com efeito, essa semeadura de palavras vai tornar um ramo forte e poderoso. Quer de bênçãos ou maldições

 A analogia com a agricultura é perfeita, pois há um tempo de germinação da semente, assim como a um tempo de maturação da bênção. Há um cuidado necessário com a semente após ser plantada, regando-a todos os dias, assim como há um cuidado com as palavras de bênção proferidas, regando-as todos os dias. Há um cuidado com a sobrevivência da planta para que não seja infestada de pragas e gere frutos doentes, assim como há um cuidado com as palavras para que não sejam contaminadas pelas circunstâncias. Há um tempo certo para colher os frutos da semeadura, como há um tempo certo para colher as bênçãos derivadas das semeaduras de palavras que fizemos. E, há um tempo determinado para desfrutarmos dos frutos que foram plantados, como também há um tempo certos para gozarmos das bênçãos que recebemos.

            Daí, podemos inferir que é necessário trabalho para semear e colher, bênçãos ou frutos; assim como há um tempo para colher o fruto da semente maldita, a maldição. Não se engane, você acha que se a pessoa plantar uma semente maldita hoje, amanhã ela estará recolhendo o fruto maldito?

            Claro que não, porque isso iria de encontro à lei da natureza. E sabe o que é mais triste: é que tem muito crente por aí colhendo hoje, as maldições que foram plantadas ontem, sem nunca imaginar que aquele mal é o resultado de uma palavra maldita de ontem, cheia de ódio, rancor, ira, nervosismo, violência e todo tipo de maus sentimentos imagináveis. Satanás não é burro, ele vai dar todo tipo de desculpa para aquele resultado: mas a responsabilidade por essa criança estar dessa forma é de Fulano de Beltrano e, nunca de quem plantou a má semente.

            Satanás é mentiroso e covarde, ele não respeita sequer a idade de uma criança, porque sabe que na infância essa criança não tem como se defender. Quantas pessoas doentes nas igrejas, porque não se curaram de um trauma de infância, porque foram semeadas palavras malditas em sua vida. Quantas pessoas hoje sofrendo, sem saber ou poder atribuir um mal a uma semente (palavra) lançada pelo pai ou pela mãe, ainda em sua tenra infância. Semente esta cheia dos  maus sentimentos citados acima. E depois não se sabe porque aquela criança ou aquele adulto tem aquele mau comportamento.

            Por que será que tantos mortos hoje pelas violência urbana? Por que tantos encarcerados nas penitenciarias? Porque pai ou mãe disseram que aquelas crianças eram malandros, ou não dariam para nada que prestasse. Que poderiam morrer assassinados, que  não seriam nada na vida. Ei, meu irmão, minha irmã! Quem não presta é o diabo!!!

            Por que tanto homossexualismo nos dias de hoje? Porque, pais e mães de ontem chamavam seus filhos de mulherzinha ou de mulher-macho. Colheram o que plantaram.

            E por que tantos por quês? Porque os pais e mães de ontem, semearam todo o tipo de palavra maldita na vida dos filhos e Satanás se agarrou a essas confissões e foi sorrateiramente realizando a sua obra satânica naquelas vidas indefesas, já que aqueles que deveriam proteger, atacaram, amaldiçoaram.

            O diabo é um falso legalista que se agarra a todo o direito legal que as pessoas dão a ele. Por isso, muitos morrem sofridos, machucados, sem perspectiva, sem esperança, pelo fato de terem sido tão maltratados pelas palavras daqueles que são autoridades sobre suas vidas. As palavras também são decretos que se não forem anulados, revogados, desligados serão cumpridos pelo trabalho de  Satanás e seus demônios. E não ficarão somente naquelas palavras, porque terão direito legal de trabalhar em outras áreas. Te provo: a Bíblia diz que um abismo chama outro abismo (Salmos 42.7).

            A passagem em que Jacó rouba a bênção de Esaú é emblemática; a propósito, Jacó significa “enganador”; e é por isso que o anjo no vau de Jabo que muda o nome de Jacó para Israel, que significa “príncipe”.  Isaque não pode revogar sua palavra de bênção sobre a vida de Jacó, mesmo sabendo que Esaú era o dono de direito à bênção. As suas palavras não puderam voltar atrás; ele não pôde abençoar a Esaú com aquelas mesmas bênçãos. E isso causou confusão entre os irmãos, a ponto de Esaú jurar a Jacó de morte, após a partida de Isaque.

            Por conta disso, Jacó teve de viver exilado em terra estranha. Tem muita gente vivendo em terra estranha por conta de suas próprias palavras. A terra estranha significa viver longe da plenitude e das bênçãos do Senhor, da terra que mana leite e mel que Ele prometeu que seria a herança do Seu povo. 

            Tanto é assim, que Jacó somente se tornou Israel depois que voltou para a sua terra. Jacó foi trapaceado e tapeado diversas vezes por seu tio. Isso nada mais foi do que o resultado de suas trapaças ao seu irmão. A colheita de suas próprias plantações. Por melhor que fossem as intenções de Jacó e Rebeca, sua mãe, houve engano da parte deles e, não tem conversa: o que o homem planta colhe.

            Engana-se quem acha que hoje é possível proferir duas palavras contrárias: isso gera confusão, e quem é o rei da confusão? Quem é o deus da confusão? O diabo.

            Assim diz o Senhor dos exércitos, o poderoso El-Shadday: “porque quem quer amar a vida e ver os dias bons, refreie a sua língua do mal, e os seus lábios não falem engano.” 1 Pedro 3.10. Não falem engano, não mintam uns aos outros, não falem de duas maneiras diferentes, porque isso é tomar em vão o nome do Senhor. E Ele não tomará por inocente quem fizer isso.

            Satanás sabe que o ser humano é um ser eminentemente verbal. Quantos de nós ouvimos muitas pessoas dizendo que se não falar morrem, têm um troço? Misericórdia Jesus!!! Então, ele faz pressão, provoca bastante a pessoa, para que ela libere uma palavra de maldição e  ele tenha  direito legal de agir sobre aquela palavra. Quando ele recebe o direito legal, ele recebe uma procuração, que são direitos outorgados por alguém a outrem para agir naquela causa, ainda que o receptor da procuração não seja o dono de fato e de direito daquele bem. Mas quem disse que Satanás se importa com isso? Ele é ladrão.
 Como se dá esse processo? A palavra de Deus diz no Salmo 91.11, que o Senhor dará ordens aos seus anjos ao nosso respeito para que nos guardem em todos os nossos caminhos. Então os anjos que são espíritos ministradores para servir ao nosso favor vêm entregar a nossa bênção (Hebreus 1.14). Chegando a nossa presença, o que encontrarão a nosso redor? Palavras de bênçãos ou de maldição? E os anjos do Senhor só entendem a Palavra do Senhor. (Isaías 62.6,7). Se não encontrarem palavras de bênçãos voltarão ao trono do Senhor relatando o que acharam e a bênção não será entregue. Muita gente está deixando de receber suas bênçãos por suas palavras.
 Estou fantasiando, exagerando? Vamos para a Palavra: “De sorte que aquele que se bendisser na terra, será bendito no Deus da verdade...”(Isaías 65. 16a).
 Diversas passagens bíblicas nos mostram que os anjos precisam de palavras benditas e de acordo com a Palavra de Deus para continuar trabalhando. Dentre essas a mais conhecida e a de Daniel 10.12 “desde o primeiro dia...são ouvidas as tuas palavras e eu vim por causa das tuas palavras” O anjo veio por causa das palavras de Daniel. O anjo vem por causa das tuas palavras.
 A Bíblia diz que há uma muralha de fogo em redor de Jerusalém (Zacarias 2.5). Mas o que é essa muralha de fogo?  A própria Bíblia responde em Jeremias 23.29 “Não e a minha palavra como um fogo, como o martelo que esmiúça a penha”. A palavra do Senhor e o fogo que protege, e o martelo que pacientemente quebra toda a montanha. É a palavra quem faz a obra. E pela palavra de Deus que Satanás é derrotado. Pelo nome de quem ele é expulso? E Jesus não é o verbo vivo que desceu dos céus? O anticristo será derrotado pela palavra saída da boca do Senhor. Então já sabemos que a palavra do cristão é o próprio Jesus operando. E há milhares de outras revelações da Palavra sobre esse assunto que não caberiam em um pequeno texto. Mas que em um momento oportuno falaremos mais, em nome de Jesus.
 Creio que apenas por essas e diversas outras verdades bíblicas já dá para a pessoa meditar e vigiar as palavras que sairão de sua boca. E rapidinho fazer um concerto diante do Senhor, resgatando aquelas palavras e anulando toda e qualquer confissão maldita que porventura tenha saído de sua boca: Oremos ao Senhor:
 Amado Deus, querido Pai, venho diante de ti, pedir perdão por todas as palavras malditas e por todos os maus intentos do coração em relação à minha terra. Pai, eu te peço perdão, em nome de Jesus, porque eu não sabia, eu não tinha consciência do poder de alterar realidades que as minhas palavras têm. Senhor eu te peço, em nome de Jesus, que o Senhor resgate, quebre, anule e desligue, toda e qualquer palavra maldita que tenha proferido. E, em concordância com a Sua Santa Palavra, eu resgato, quebro, anulo e desligo em nome de Jesus, toda a maldição, porque tu, ó Senhor, me deste poder para pisar a serpentes, escorpiões e toda a força do inimigo e nada me causará dano algum. O Senhor é o Justo Juiz de toda a terra, e somente o Senhor tem o poder de revogar todo e qualquer decreto; toda e qualquer sentença de maldição da vida dos seus filhos. Pai perdoe, por amor do teu nome. Resgate essas palavras e quebre toda maldição hereditária, mau intento, obra de macumbaria, de bruxaria de feitiçaria, de profanação à sua Palavra dita na ignorância. Toda e qualquer palavra que tenha sido dita por alguém sobre a minha terra e as minhas bênçãos que eu não saiba; que eu não tenha consciência, todo e qualquer feitiço que tiver sido ingerido, comido ou mesmo, qualquer outra forma de contato com o mundo das trevas, mesmo que com a melhor das intenções, quebre agora Senhor, em nome de Jesus.
Toda mentira de agressão, de violência, perturbação do inferno, ódio, mágoa, rancor, sentimentos ruins, inflamação do inferno eu quebro agora na autoridade e no poder que há no sangue de Jesus. Senhor, eu quero declarar diante do mundo espiritual e dos seus santos anjos que nunca mais eu vou amaldiçoar a minha terra, que nuca mais plantarei sementes malditas nela. Quero também, diante do seu santo trono, declarar que eu recebo o teu perdão e tomo posso das tuas maravilhosas bênçãos em nome de Jesus. Amém e graças a Deus!

O inferno é o crematório da alma